Em live, especialistas da Abramet falam sobre a importância do uso dos dispositivos de retenção para crianças nos veículos automotores

A legislação e a importância sobre o uso das “cadeirinhas” e as recomendações médicas sobre o tema. Estes foram os destaques do encontro virtual promovido pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), na última semana. A transmissão já está disponível no canal do Youtube e na página oficial da entidade no Facebook, e conta com cerca de 900 visualizações nas duas plataformas.

Participaram do encontro os especialistas Ricardo Hegele, 1º vice-presidente da Abramet; Flávio Adura, diretor científico; José Montal, diretor administrativo. A moderação ficou a cargo do presidente da instituição, Antonio Meira Júnior.

CLIQUE AQUI E ASSISTA À LIVE NA ÍNTEGRA

Em sua fala de abertura, Meira Júnior ressaltou a importância do tema e as recomendações contidas na cartilha ‘Medicina de Tráfego: transporte seguro de crianças em veículos automotores’ – elaborada juntamente com o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) para orientar pais, transportadores de crianças, médicos, policiais e sociedade em geral sobre a forma mais segura de transportar crianças no interior dos veículos.

EPIDEMIOLOGIA – José Montal deu início à exposição abordando a questão epidemiológica e estudos sobre a importância das cadeirinhas na prevenção de acidentes. Um relatório recente da Organização Mundial da Saúde (OMS) mostra o acidente de trânsito como a primeira causa de morte entre crianças e jovens com idades entre cinco e 29 anos. Nesse sentido, considerando a faixa etária de 5 a 14 anos, a morte decorrente de ferimentos provocados pelos acidentes de trânsito é a primeira entre todas as mortes por causas definidas na maioria dos países das Américas, incluindo o Brasil.

De acordo com a ONG Criança Segura, os acidentes matam diariamente 12 crianças e hospitalizam 335, em média, no Brasil. Das crianças que morrem no trânsito brasileiro, aproximadamente 40% estão na condição de ocupantes de veículos. Atropelamentos ocupam a segunda colocação, seguidos por deslocamentos por motocicleta e bicicleta.

“Esse dado mostra uma mudança na curva que vinha acontecendo, porque o primeiro colocado era sempre o atropelamento. Essa mudança pode ser, provavelmente, em função da dificuldade de levar crianças para rua hoje em dia, porque elas vivem isoladas em prédios e se expõem menos aos riscos”, declarou Montal.

Na década anterior à Lei das Cadeirinhas, em média 944 crianças ocupantes de veículos eram internadas a cada ano. Nos dez anos seguintes essa média baixou para 719.  Apesar do crescimento de 50% da frota de veículos, houve uma redução de 24% nos acidentes, nesses últimos dez anos.

HISTÓRICO E IMPORTÂNCIA – Flávio Adura falou abordou a história do transporte de crianças no interior dos veículos no Brasil, que teve início com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) de 1997, e que prevê que as crianças com idade inferior a dez anos devem ser transportadas nos bancos traseiros, salvo exceções regulamentadas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Na época, a resolução do Contran não especificava como a criança deveria ser transportada, somente que ela deveria estar usando um cinto de segurança ou sistema de retenção equivalente. “Foi preciso dez anos para se fazer uma resolução explicando quais eram os dispositivos que deveriam ser utilizados. A resolução do Contran sobre o tema é de 2008, mas a Abramet já estava trabalhando o tema antes. Em 2003, foi feita a diretriz sobre segurança no transporte veicular de crianças, cujo objetivo, entre outros, era definir normas que possibilitassem o transporte seguro de crianças no interior dos veículos”, explicou Flávio.

“A segurança no transporte veicular de crianças não tem feito parte do aconselhamento médico rotineiro. Há necessidade de maior disseminação da ciência para o que os profissionais orientem os pais sobre o transporte seguro de seus filhos. Além disso, o local em que a criança é transportada no interior do veículo pode representar um risco adicional importante porque nos casos de impacto frontal, crianças transportadas no banco traseiro têm menos risco de morrer ou sofrer ferimentos graves”, esclareceu.

Adura explicitou ainda que a segurança é maior quando as crianças são transportadas no centro do banco traseiro. Nos casos de acidente automobilístico, crianças transportadas no centro do banco braseiro têm até 24% menor risco de morte que aquelas transportadas nas posições laterais.

TIPOS DE DISPOSITIVOS – Em sua exposição, Ricardo Hegele abordou a diferença entre os dispositivos de retenção infantil e quais são as recomendações da Diretriz da Abramet e quais são as que estão na resolução do CONTRAN. Ele reforçou a importância do dispositivo estar adaptado para cada fase de crescimento da criança.

Um ponto bastante enfatizado pelo especialista foi a questão dos prejuízos do uso indevido e precoce do cinto de segurança. Conforme explicou, quando uma criança passa a utilizar prematuramente o cinto de segurança do veículo, a faixa subabdominal posiciona-se sobre o abdome e a transversal atravessa o pescoço e a face. Isso pode causar lesões graves, porque a criança não tem estatura adequada, podendo ocorrer a chamada síndrome pediátrica do cinto de segurança.

“Transportar uma criança em veículo automotor sem a observância das normas que estão estabelecidas no CTB é considerado uma infração gravíssima, com penalidade de multa, além do recolhimento do veículo até que a criança seja retirada do banco dianteiro. Além de escolher um dispositivo de retenção adequado, é importante saber utilizá-lo e posicioná-lo adequadamente para que a proteção seja feita de forma correta”, disse Hegele.

Fonte: https://abramet.com.br/noticias/em-live-especialistas-da-abramet-falam-sobre-a-importancia-do-uso-dos-dispositivos-de-retencao-para-criancas-nos-veiculos-automores/

Senado adia votação do PL 3267/2019 e Abramet mantém mobilização

Aprovado pela Câmara dos Deputados no final de junho, o projeto de lei que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) teve sua apreciação pelo Senado Federal adiada nessa terça-feira (18). Incluída na pauta da sessão plenária virtual por acordo entre os líderes de bancada, a votação do PL 3267/2019 gerou impasse entre os parlamentares e levou o presidente da Casa, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) a discutir a retirada do projeto da pauta. O adiamento da votação foi definido pelo voto da maioria dos parlamentares, com placar de 39 votos contra a votação e 31 a favor. Foi registrada uma abstenção.

“Nós seguimos acompanhando a tramitação do projeto e faremos no Senado o mesmo diálogo propositivo que fizemos na Câmara dos Deputados”, reagiu o Antonio Meira Júnior, presidente da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet). Segundo ele, a expectativa é que a proposta aprovada pela Câmara seja ratificada pelos senadores, mas não há impedimento para o debate. “Nossa preocupação é que saia do Congresso Nacional o melhor projeto modernizando o Código, um projeto que promova transformações sem criar retrocessos nas medidas que buscam preservar a vida e a saúde no trânsito”.

O presidente do Senado, que marcará a próxima data para votação da proposta, destacou a importância do PL 3267 e a necessidade de construir consenso entre os partidos. “Mesmo buscando acordo e entendimento, a unanimidade às vezes é impossível. Sempre tentei e continuarei tentando buscar a harmonia na priorização das agendas”, afirmou Davi Alcolumbre. Durante a sessão, senadores questionaram a urgência da proposta e defenderam que seja apreciada apenas quando o legislativo retomar suas atividades presenciais, suspensas em decorrência da crise sanitária, e depois de ouvirem especialistas no tema.

(Com Agência Senado)

Fonte: https://abramet.com.br/noticias/senado-adia-votacao-do-pl-3267-2019-e-abramet-mantem-mobilizacao/

Abramet reúne especialistas e convidados especiais para celebrar seus 40 anos

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) realizará na próxima quarta-feira (19) um webinar em comemoração aos seus 40 anos de atuação. O evento virtual será transmitido pelo canal da entidade no YouTube a partir das 19h. “Queremos celebrar essas quatro décadas fazendo aquilo que é o DNA da nossa entidade: levar conhecimento aos médicos e à sociedade. Além de fomentar o congraçamento, queremos promover esse encontro para celebrar a união em torno do mesmo objetivo, que é preservar vidas no trânsito”, diz o dr. Antonio Meira Júnior, presidente da Abramet.

Durante o webinar, serão lançados o livro comemorativo e a próxima edição da Revista da Abramet, ambos alusivos aos 40 anos da entidade. Também está previsto o anúncio do Portal do Associado, iniciativa da Abramet para ampliar a prestação de serviços e estar ainda mais próxima ao médico de tráfego.

No evento, serão homenageados ex-presidentes da Abramet e presidentes de federadas, além de outras personalidades reconhecidas pela grande contribuição para a criação e fortalecimento da entidade.

“A Abramet é fruto do esforço e dedicação contínua de muitas pessoas, médicos de tráfego do mais alto gabarito que dedicam seu tempo para manter nossa atuação relevante e prestar o melhor serviço ao especialista e à sociedade brasileira. Temos muito a agradecer”, destacou Flávio Adura, um dos fundadores e atual diretor científico da entidade.

PRESENÇA CONFIRMADA – Com duração de aproximadamente uma hora, a celebração dos 40 anos da Abramet contará com as presenças de autoridades e dirigentes das mais importantes entidades médicas e instituições ligadas ao trânsito. Entre elas, lideranças da Câmara dos Deputados, Senado Federal, Frentes Parlamentares Mista da Medicina e do Trânsito Seguro.

Também foram convidados membros Associação Brasileira de Pedestres (Abraspe), Associação Brasileira dos Condutores de Veículos Automotores (Abrava), Associação Brasileira dos Motoristas e Condutores de Ambulâncias (Abramca), Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), Fórum Nacional dos Conselhos de Trânsito (Focotran) e Conselho Estadual de Trânsito de São Paulo.

São esperados ainda representantes da Associação Nacional de Detrans, Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Associação Brasileira de Psicologia de Tráfego (Abrapsit), Conselho Superior da Academia Nacional de Seguros e Previdência (ANSP), da Organização Pan-Americana da Saúde, Associação Médica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM).

CLIQUE AQUI, para acessar ao vivo as 19hs.

Fonte: https://abramet.com.br/noticias/abramet-reune-especialistas-e-convidados-especiais-para-celebrar-seus-40anos/

Uso adequado do dispositivo de retenção de crianças nos veículos é o tema de nova live da Abramet

Quando devo trocar o “bebê conforto” pela “cadeirinha”? Quais modelos são mais seguros? Até que idade a criança deve usar o dispositivo de retenção de crianças nos veículos? Como ajustá-lo da forma correta? Estas serão algumas das questões que serão abordadas por especialistas da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) durante um novo encontro online. Na próxima quarta-feira (12), a partir das 19h, acontece a live: “Não coloque em risco a vida de seu filho no trânsito. Médicos de Tráfego orientam o uso correto das “cadeirinhas”.

A transmissão, que acontecerá simultaneamente por meio da página oficial da Abramet no Facebook e no YouTube, será uma oportunidade para esclarecer as dúvidas de pais e responsáveis a respeito do uso adequado do equipamento de segurança durante os deslocamentos em veículos.

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O FACEBOOK

CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O YOUTUBE

Conforme salienta o presidente da Abramet e moderador da live, Antonio Meira Júnior, o evento congregará especialistas com ampla experiência técnica no assunto, no intuito de apresentar as recomendações de proteção necessárias para resguardar a saúde e bem-estar das crianças no trânsito.

“Vamos repercutir as medidas preconizadas pela cartilha ‘Medicina de Tráfego: transporte seguro de crianças em veículos automotores’, elaborada justamente para orientar os pais, transportadores de crianças, médicos, policiais e a sociedade em geral sobre a forma mais segura de transportar uma criança dentro do carro. As indicações têm como base as evidências da literatura médica e estão em consonância com o Código de Trânsito Brasileiro”, destaca.

De acordo com números levantados pela Abramet, Conselho Federal de Medicina (CFM) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a exigência do uso do dispositivo reduziu em 33% o número de crianças vítimas de acidentes de trânsito no Brasil entre 1998 e 2018.  “Os números oficiais permitem verificar os efeitos positivos da Resolução nº 277 do Contran, regulamento que deve ser incorporado ao novo CTB”, ressaltou Flávio Adura, um dos autores da diretriz médica Segurança no Transporte Veicular de Crianças.

ESPECIALISTAS – As apresentações científicas do evento ficarão sob responsabilidade do 1º vice-presidente da Abramet, Ricardo Hegele; do diretor científico, Flávio Adura; e do diretor administrativo, José Montal.

“Estão todos convidados a participarem desse momento de aprendizado, que certamente elucidará questões que perturbam a cabeça de muitos pais e mães. Essa e outras iniciativas da Abramet são uma demonstração da atuação contínua da entidade, que mesmo em meio à pandemia de Covid-19, mantém suas ações e seu compromisso por um trânsito mais saudável no Brasil”, conclui Meira Júnior.

Fonte: https://abramet.com.br/noticias/uso-adequado-do-dispositivo-de-retencao-de-criancas-nos-veiculos-e-o-tema-de-nova-live-da-abramet/

Confaz altera regras para isenção de ICMS sobre veículos destinados a pessoas com deficiência e atende reivindicação histórica da Abramet

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) alterou as normas do convênio ICMS nº 38/12 e redefiniu os critérios para a definição das deficiências que permitem a concessão de isenções do tributo sobre veículos destinados a pessoas com deficiência física, visual, mental ou autista (PCD). A decisão atende a diretrizes da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), que participou ativamente das discussões para a atualização do convênio.

“Essa é uma vitória histórica para a Abramet, enraizando uma bandeira que temos levado nesses anos todos, que é conferir maior rigor técnico na concessão desse benefício e atender a população”, afirma o dr. Antonio Meira Júnior, presidente da entidade.

Publicado na edição do Diário Oficial da União que circulou na segunda-feira (3), o Convênio ICMS 59/20 determina que a isenção do imposto seja oferecida apenas àqueles que tenham deficiência moderada ou grave e que possa comprometer sua capacidade de dirigir com segurança.

A nova qualificação das deficiências atende protocolo da Abramet, referindo-se a portadores de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, nanismo, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membros, paralisia cerebral, membros com deformidade congênita ou adquirida, sempre levando em conta o critério médico pericial.

CLIQUE AQUI E LEIA O CONVÊNIO

“Esse novo convênio é um avanço considerável na busca pela melhor maneira de habilitar a pessoa com deficiência e exige mais clareza para a concessão do benefício. Para nós, essa é concretização de um sonho antigo”, diz o dr. José Heverardo Montal, diretor administrativo da Abramet. Segundo ele, as novas normas fortalecem a premissa de que não basta o diagnóstico de uma doença, mas é determinante aferir se a mesma é incapacitante ou não. “O que deve ser considerado é se a doença afeta a capacidade do condutor de dirigir com segurança para si e para os outros”, destaca.

“O novo convênio não está perfeito, não fechou todas as brechas como gostaríamos, mas boa parte do que recomendamos foi aceito”, avalia o dr. Dirceu Diniz, diretor financeiro da Abramet. “É mais uma batalha vencida pela Abramet na questão dos laudos periciais, mas ainda faltam aspectos a serem aperfeiçoados”. Segundo ele, a terminologia usada para a definição das doenças incapacitantes ainda pode ser melhorada, de forma a evitar interpretações equivocadas na conceituação da deficiência.

Especialistas no tema, Diniz e Montal representam a Abramet nas discussões técnicas promovidas pelo governo federal e pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

O Convênio ICMS 59/20 também estabelece que o profissional da área da saúde responderá solidariamente pelo pagamento do imposto devido, nos termos da legislação da respectiva unidade federada, caso seja comprovada a prática de fraude em laudo pericial, sem prejuízo das sanções penais e civis cabíveis, assim como da apresentação de denúncia ao Conselho Regional de Medicina.

Para o diretor da Abramet, com essa decisão o Confaz aumenta a responsabilidade do médico que concede o benefício. “A Medicina de Tráfego tem a lisura de procedimentos médicos como premissa basilar de sua atuação”, comenta Montal. “Essa responsabilização não cabe apenas ao profissional de saúde e deveria alcançar a todos os profissionais envolvidos, como despachantes e vendedores, por exemplo”, afirma Dirceu Diniz.

Fonte: https://abramet.com.br/noticias/confaz-altera-regras-para-isencao-de-icms-sobre-veiculos-destinados-a-pessoas-com-deficiencia-e-atende-reivindicacao-histroica-da-abramet/

Abramet e Secretaria Nacional de Avião Civil firmam compromisso em trabalhar pelo deslocamento aéreo seguro e saudável

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) abriu diálogo com a Secretaria Nacional de Aviação Civil, órgão vinculado ao Ministério da Infraestrutura, para apoiar e orientar o retorno seguro dos deslocamentos aéreos no Brasil. Presidente da entidade, Antonio Meira Júnior tratou do assunto nessa quinta-feira (30) em audiência com o Secretário Ronei Saggioro Glanzmann, em Brasília.

“Colocamos a Medicina de Tráfego e todo o nosso conhecimento técnico-científico à disposição”, antecipou Meira. Segundo ele, os desafios impostos pela pandemia da Covid-19 têm impacto decisivo sobre o setor aéreo e a entidade pode contribuir com recomendações aos passageiros e tripulações sobre a forma mais sudável de seguir viagem.

Reconquistar a confiança do passageiro e garantir a segurança das tripulações e equipes envolvidas com a operação dos aeroportos é uma das missões da Secretaria Nacional. Ao agradeceu a disponibilidade dos médicos, Glanzmann destacou a importância de contar com os médicos de tráfego. “A Abramet é uma entidade muito importante e temos grandes desafios nesse momento de pandemia”, afirmou. “É o momento de reconquistar a confiança do passageiro e precisamos de segurança sanitária dentro dos aviões”.

Segunda live promove debate sobre a saúde do idoso condutor, pedestre e ciclista

A saúde do idoso no trânsito foi o tema central da segunda live promovida pela Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), realizada na última sexta-feira (24). A transmissão, que está disponível no canal do Youtube e na página oficial da entidade no Facebook, já conta com mais de 700 visualizações nas duas plataformas. Participaram do encontro os especialistas Verônica Hagemeyer, geriatra, médica de tráfego e chefe do Serviço de Perícia Médica do Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro (Detran-RJ), e Flávio Adura, diretor científico da Abramet. A moderação ficou a cargo do presidente da instituição, Antonio Meira Júnior.

CLIQUE AQUI E CONFIRA A LIVE

“O envelhecimento pode trazer limitações físicas e mentais aos motoristas. Em muitos casos, quando o problema é físico, como a perda de visão e audição, há mais chances de o próprio idoso reconhecer que não pode mais dirigir. Mas essa conscientização é mais difícil quando envolve critérios da saúde mental, como a perda de atenção e concentração. Desse modo, o exame de aptidão física e mental realizado pelo médico de tráfego é importante para evidenciar se o condutor idoso terá condições de dirigir com segurança”, explicitou Meira Júnior.

PANORAMA – Verônica Hagemeyer iniciou sua exposição com um panorama do envelhecimento no Brasil, com a definição da Organização das Nações Unidas (ONU), que versa sobre o mundo estar no centro de uma transição demográfica única irreversível, que irá resultar em mais população de idosos em todos os lugares. Conforme mostram estudos, a partir de 2015, há a projeção é de um crescimento de 3% de idosos ao ano e, em 2050, 30% da população terá mais de 60 anos no Brasil.

“É importante frisar que o envelhecimento é biopsicossocial. Envelhecemos em conjunto com a nossa sociedade e com a nossa cabeça junto. É preciso cuidar também da nossa mente para que possamos envelhecer com qualidade. Há um critério também com relação ao sexo, que diz que as mulheres tendem a viver mais do que o homem, mas isso vai depender do estilo de vida adotado, das doenças e da maneira que essa pessoa envelhece”, explica.

Segundo ela, é importante que a pessoa tenha um passado saudável, pois, ao contrário, as doenças irão se projetar. De acordo com a médica, as doenças orgânicas são responsáveis por 12% dos acidentes de trânsito. Há, principalmente, um comprometimento do idoso em doenças como infarto, Acidente Vascular Cerebral, as quedas com traumas cranioencefálicos, as vertigens, a catarata, o glaucoma, as doenças neurológicas, entre outras.

“O envelhecimento é um processo fisiológico, mas que vem com alterações estruturais e funcionais no organismo inteiro. São essas alterações que acabam facilitando que as doenças se aproximem e que a morte venha de maneira doente porque é, normalmente, um envelhecimento mal sucedido. Com o envelhecimento há ainda a perda da capacidade de adaptação, então, o organismo acaba se tornando muito mais vulnerável às agressões”, enfatiza Verônica.

NO TRÂNSITO – Já o diretor científico da Abramet, Flávio Adura, abordou as diferenças entre as limitações físicas e mentais, uma vez que a conscientização é mais difícil quando os problemas envolvem perda de atenção, concentração e avaliação, causados por doenças cognitivas, como o mal de Alzheimer. Nesses casos, o idoso não percebe a perda de habilidade essencial à condução de um veículo.

“O ato de dirigir exige uma integração entre a cognição e a resposta motora e as perdas decorrentes do envelhecimento vão impedir, gradativamente, essa interação. Ao mesmo tempo, os idosos são condutores mais experientes e, em geral, mais prudentes, não digerem no excesso de velocidade ou alcoolizados, na maioria das vezes, utilizam cinto de segurança e cuidam da manutenção do veículo”, disse o especialista.

Nesse sentido, as infrações de trânsito mais comumente cometidas por motoristas idosos são desobediência a sinais de parada no farol vermelho; conversão proibida à esquerda; não circulação pelo lado direito da via; efetuação de retorno proibido; e realização de ultrapassagem perigosa.

Conforme explicou Adura, o médico de tráfego é fundamental na realização do Exame de Aptidão Física e Mental (EAFM) para a diminuição da morbimortalidade dos acidentes de trânsito que envolvem condutores idosos.

“Importante lembrar também que o exame não pode ser igual para todos os candidatos, ou seja, um exame de um jovem de 18 anos não pode ser o mesmo de um diabético que usa insulina de 50 anos e de um idoso de 80 anos. As demências cognitivas estão na quarta posição de doenças orgânicas mais frequentemente responsáveis pelos acidentes de trânsito fatais. Então, deve ser feita uma avaliação mental, o que significa que não basta medir a pressão e acuidade visual do candidato”, enfatizou adura.

O especialista abordou ainda sobre o idoso ciclista e a importância de visita ao médico para ver como está sua condição de saúde para que possa desfrutar de todos os benefícios do ciclismo, como a que melhorar resistência muscular e reforço à saúde mental, por exemplo. Além disso, é importante que o ciclista saiba as leis de trânsito e quais são os equipamentos segurança adequados.

Em relação ao idoso pedestre, há um risco importante de acidentes, visto que a mortalidade por atropelamento é maior a partir dos 60 anos. A diminuição do nível de atenção leva a desrespeitar sinais de trânsito e a uma percepção limitada do risco. Por isso, é importante que o idoso, sempre que possível, caminhe por lugares conhecidos, faça uso de bengalas quando necessário, tenha cuidado com pisos escorregadios, atravesse a rua sempre nas faixas de segurança para pedestres.

Abramet Live: aulas disponíveis no youtube

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) tem promovido, periodicamente, lives com o propósito de atualizar o especialista sobre as evidências científicas mais recentes sobre diversos assuntos da área e também promover debates de interesse da sociedade para que as vias e rodovias sejam lugares mais seguros e saudáveis para condutores e pedestres.

Abaixo, é possível conhecer todas as transmissões online já promovidas e, ao clicar na foto, você será redirecionado ao vídeo na íntegra.

12 de agosto – Não coloque em risco a vida de seu filho no trânsito. Médicos de Tráfego orientam o uso correto das “cadeirinhas”

24 de julho – “No trânsito a mais de 60: o espaço do idoso nas calçadas, vias e rodovias”

10 de julho – “Medicina de Tráfego e seus especialistas: contribuições na luta contra a COVID-19”

Abramet conquista importante espaço na imprensa nacional e nas redes sociais

Sucesso e ampla divulgação na imprensa e nas plataformas digitais marcam os resultados das ações de comunicação da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) no primeiro semestre de 2020. Somente entre janeiro e junho, a entidade conquistou mais de 400 notícias veiculadas espontaneamente na mídia tanto em veículos nacionais quanto regionais, sendo, em sua maioria, citações positivas e com a presença de estudos ou especialistas concedendo as entrevistas.

Entre os temas que ganharam destaque estiveram a campanha Maio Amarelo, que teve como objetivo conscientizar e mudar o comportamento de motoristas; o levantamento feito pela entidade sobre o número de acidentes nas estradas durante o Carnaval; a constante participação da Abramet na Câmara dos Deputados nas discussões e votação da PL 3267/2019; e as recomendações da entidade contra a COVID-19.

Para o presidente da Abramet, Antonio Meira Júnior, os números só confirmam que a instituição tem conduzido um trabalho de conscientização e divulgação de qualidade e com embasamento científico para a sociedade civil e para os médicos de tráfego.

“O espaço que temos conquistado nesses veículos de comunicação de forma espontânea reflete o trabalho contínuo que temos promovido na Abramet, de sempre levar conhecimento atualizado e de relevância para toda a população. É muito gratificante e nos motiva ainda mais a continuarmos nessa missão”, destacou o presidente.

Já o diretor de Comunicação da instituição, Dirceu Rodrigues, ressaltou o empenho da atual gestão de aprimorar as estratégias de comunicação. “Estamos sempre buscando novas formas de manter nossos sócios e toda a sociedade bem informados. Ao falar sobre os problemas da saúde no trânsito, defendemos o interesse da medicina e dos brasileiros, colocando em evidência a importância da medicina de tráfego para o País”, destacou.

MÍDIAS SOCIAIS – Nas redes sociais também não foi diferente e a Abramet conseguiu aumentar exponencialmente sua presença nas diversas plataformas por meio da publicação de conteúdos extremamente relevantes. Entre as novidades nesse primeiro semestre de 2020, houve a criação de dois novos canais de comunicação: a página no Linkedin, que recebe conteúdos educativos e informativos; e o canal do Flickr, para repositório de fotos institucionais.

A página do Facebook da instituição conquistou mais de 2.100 curtidas no período, com mais de 230 postagens e cerca de 808 mil pessoas alcançadas. O perfil do Instagram, por sua vez, ganhou quase mil novos seguidores e, juntando peças e vídeos publicados no feed e stories, foram 514 postagens, que alcançaram mais de 34 mil interações.

Outras redes sociais da Abramet também conseguiram feitos importantes nesse período: com 384 postagens no Twitter foi possível ter um alcance total de 17.437 pessoas; e o Youtube contou com a inserção de 29 novos vídeos.

Em geral, os maiores destaque do semestre em todas as páginas da instituição foram o trabalho da Abramet no Congresso Nacional, a publicação dos guias de orientações aos caminhoneiros e motociclistas e a campanha Maio Amarelo.

“Ao longo dos últimos anos temos percebido como as mídias sociais têm se tornado local importante de busca de informações sobre diversos assuntos. Por isso, temos investido para que a Abramet esteja presente nos variados canais e, assim, o associado possa acessar o conteúdo de qualquer lugar. Vimos de forma ainda mais clara essa relevância com a pandemia da COVID-19”, enfatiza Meira Júnior.

Abramet informa o falecimento de Silvio Haddad, uma de suas lideranças nacionais

A Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet) comunica o falecimento do médico Silvio Haddad, uma das grandes lideranças da especialidade no País. Ele ocupou a Presidência da federada da Abramet no Mato Grosso do Sul e participou da diretoria da entidade nacional na gestão anterior, onde exerceu a função de vice-presidente.

Médico de tráfego e cirurgião vascular, Silvio Haddad faleceu aos 64 anos, neste sábado (25), em Campo Grande (MS), em consequência de um câncer. Um homem inteligente, dedicado e alegre, capaz de agregar e de motivar pessoas na superação de seus desafios: essa é a lembrança deixada por ele, segundo seus inúmeros amigos e colaboradores de jornada.

Silvio Haddad nasceu em 1956, no Rio de Janeiro (RJ), onde se formou na Faculdade de Medicina de Teresópolis, em 1980. Ele se especializou em cirurgia vascular, sendo pós-graduado na área pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Também possuía formação especializada em administração hospitalar, pela Universidade de Ribeirão Preto, e em Medicina de Tráfego e Perícias Médicas, pela Fundação Getúlio Vargas.

Além de médico, Silvio Haddad tinha como hobby a enologia. Apreciador de bons vinhos, foi um dos responsáveis por introduzir o hábito de consumir essa bebida na capital sul-mato-grossense. No Estado, era presidente da Confraria do Vinho de Campo Grande, além de membro da Loja Maçônica Raul Santos de Matos.

A Abramet, por meio de sua diretoria, expressa seu pesar por essa grande perda para a medicina brasileira e manifesta sua solidariedade junto aos familiares, amigos e admiradores de Silvio Haddad.

“Que seu compromisso com a boa prática médica e sua visão otimista da vida sejam exemplos para as futuras gerações. A medicina de tráfego brasileira está de luto diante dessa triste notícia”, afirmou o presidente da Abramet, Antonio Meira Junior, em mensagem dirigida aos familiares de Silvio Haddad.

Fonte: https://abramet.com.br/noticias/abramet-informa-o-falecimento-de-silvio-haddad-uma-de-suas-liderancas-nacionais/