Abramet apoia criação do Dia Nacional em Memória das Vítimas de Sinistros de Trânsito

A Associação Brasileira de Medicina do Tráfego (Abramet) participou de audiência pública realizada pela Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal para discutir o Projeto de Lei 5.189/2019, que cria o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Sinistros de Trânsito e estabelece a data de 7 de maio para a sua celebração anual. De autoria do senador Fabiano Contarato (REDE-ES), a proposta busca estabelecer um novo mecanismo para alertar a sociedade e engajar a população e o poder público na prevenção a sinistros de trânsito com o objetivo de contribuir para um tráfego mais saudável no Brasil.

“Este projeto de lei traz conforto e chama atenção para que trabalhemos no sentido de reduzir o sinistro”, afirmou o dr. Flávio Emir Adura, diretor científico da Abramet. “As vítimas têm nome, não são números. Nos deixam saudade do futuro, de um futuro que deixa de existir”, acrescentou. Primeiro convidado a se pronunciar, Adura destacou que a missão maior da Abramet é a preservação da vida e a mitigação do sofrimento no trânsito. “A apresentação de projetos como este, e saber que podemos contar o senhor, nos leva a concluir que vamos conseguir vencer esta batalha”.

Em sua apresentação, o diretor científico da Abramet mencionou casos emblemáticos de sinistros de trânsito com vítimas fatais – como os que mataram a princesa Diana, o piloto Ayrton Senna e o avô do próprio médico; para reafirmar a importância de ações cada vez mais rigorosas e efetivas para prevenir o sinistro e melhorar a conduta dos condutores. Flávio Adura mencionou o estímulo à alcoolemia zero e ao uso do cinto de segurança, assim como a conscientização em torno dos riscos da combinação de celular e volante.

“Estamos correndo um risco. O STF se prepara para analisar, em caráter definitivo, a ADIN que discute a validade da Lei Seca. A ação já está na pauta”, alertou Adura. O combate a combinação do consumo de álcool e direção é bandeira histórica da Abramet, entidade que participou decisivamente da criação e aprovação da lei.

Números de epidemia – Em defesa do projeto de lei, o senador Contarato destacou que sinistros de trânsito causam milhares de mortes no Brasil todos os anos, com impacto social e na saúde: 60% dos leitos hospitalares do Sistema Único de Saúde (SUS) são ocupados por vítimas de acidente de trânsito, bem como 50% dos centros cirúrgicos. “A data pretende manter viva a memória das vítimas e deixar um alerta para a segurança no trânsito”, justificou.

O parlamentar apropria sinistro emblemático acontecido na cidade de Curitiba em 07 de maio de 2009, em que o então deputado estadual Fernando Ribas Carli Filho provocou a morte de dois jovens. Dirigindo embriagado e alta velocidade, Carli tinha a carteira de habilitação cassada, e bateu no carro em que estavam Gilmar Rafael Souza Yared e Carlos Murilo de Almeida. O sinistro, de grande repercussão no país, matou um dos filhos da deputada federal Christiane Yared (PL-PR), parlamentar com atuação dedicada à causa da redução de sinistros de trânsito.

O senador destacou a importância da atuação da Abramet e colocou-se a disposição para contribuir com propostas e ações recomendadas pela entidade para reverter o número de mortos e sequelados por sinistros de trânsito no Brasil. “Quando vemos uma instituição que tem compromisso com a preservação da vida, nós parlamentares temos de estar de portas abertas”, afirmou Contarato. “Precisamos entender que é preciso diminuir o abismo entre o que se diz e o que se faz. Sair do discurso e entrar no campo da efetividade, alterando a lei onde for necessário. Parabéns à Abramet e contem comigo de forma incondicional”.

Também participaram da audiência Julianna Guimarães, diretora científica da Associação Brasileira de Psicologia de Tráfego (Abrapsit); Fernando Alberto da Costa Diniz, presidente da ONG Trânsito Amigo; Everaldo Valenga Alves, coordenador-geral de Educação de Trânsito da Secretaria Nacional do Trânsito (Senatran); Francisco Vieira Geronce, do Observatório Nacional de Segurança Viária; e Luis Carlos Paulino, coordenador-geral da Associação Brasileira de Educação de Trânsito no Nordeste (Abetran).

(Com informações da Agência Senado)